Ping Pong (1982)

Ping Pong Fórmula 1

Ping Pong e Ploc são figurinhas frequentes em nosso blog.

As crianças foram incentivadas por décadas a mascarem esses chicletes que, de acordo com as mães, “estragam seus dentes, moleque!”

Nesse meio tempo, incríveis figurinhas das mais diversas coleções já passaram por suas embalagens, tornando a sensação de abrir um chiclete muito melhor do que abrir uma bala da qual sabíamos que não havia nada dentro a não ser a própria bala.

Engana-se quem pensa que essa coleção foi embalada pelo sucesso de Ayrton Senna. Nosso maior piloto da F1 nem sequer havia começado a disputá-la; ele estava em outras modalidades nesse ano de 1982.

Só fiquei curioso quanto as tais “lindas garotas” prometidas no anúncio. Não se trata da tal “Angelina” que aparece aí, né?

Publicado em Cascão 01 – Ed. Abril – Ago/82 – Cr$ 70,00

Ploc Tribo 70 (1970)

Ploc Tribo 70 (1970)

A década de 70 começava com tudo com o Chicle de Bola Ploc na boca da molecada.
Foi uma onda marcante essa de tatuar o braço com as figurinhas de chiclete dos times de futebol.
Eu tinha só 5 anos e meus irmãos mais velhos é que me marcavam com essas tatuagens e lembro que minha mãe fazia esfregar no tanque com a bucha para sair depois que elas começavam a borrar…
Bons tempos… esses em que a gente brincava na rua, e depois ficava tão cansado e com fome que chegava no quintal de casa, lavava os pés no tanque e entrava para tomar café da tarde com a mãe.
Nessa hq/propaganda tem esse indiozinho da Ploc que ficou muito conhecido na época. Sempre aparecia nas propagandas… lembrando o Havita da Disney.
Muita coisa legal para recordar dessa época, como as intermináveis brincadeiras de Forte-Apache da Gulliver onde gente passava longas tardes deitado no chão brincando com índios e soldados do velho-oeste.
Fala a verdade… deu saudades, não deu?

Publicado em  O Pato Donald nº 968 de 26/05/1970 Cr$ 0,40

Omo (1982)

Essa deve ter sido uma das poucas propagandas de Omo publicada em gibis.

Desde que me conheço por gente, o Omo sempre foi o produto líder absoluto de sua categoria. Obviamente as crianças não eram o público-alvo da empresa, mas sempre vale a pena fazer uma promoção “Peça para a mamãe” para aumentar um pouco as vendas.

Acho muito legal também os slogans exagerados como o caso do escrito na caixa de Omo dessa propaganda: Dá o branco total radiante. Pode até competir com o “Máxima proteção anticáries” da Colgate ou “Nove entre dez dentistas recomendam…” de qualquer creme dental do mercado.

De qualquer forma o resumo da felicidade em 1982 devia ser ir para a escola usando uma roupa com o branco total radiante, um gibi do Pato Donald na mochila e  na memória as jogadas de Zico, Sócrates, Cerezo, Falcão e companhia.

Publicado em Edição Extra Huguinho, Zezinho e Luisinho número 134- Outubro de 1982- Preço da Edição Cr$130,00

Bonecos do Mauricio de “Souza” – Trol (1969)

Bonecos do Mauricio de "Souza" - Trol

Acreditem, houve um tempo em que o papai da Turma de Mônica o genial Mauricio não era tão conhecido, e seus personagens ainda estavam “engatinhando” no conhecimento popular. Nessa propaganda que estamos mostrando o nome está errado e colocaram “Souza” no lugar de “Sousa”…
As propagandas tiveram uma forte influência em tornar conhecida a Turma da Mônica, pois no começo parece que  eram os produtos que agregavam valor aos personagens, como no caso da Cica e os derivados de tomate tornando o Jotalhão e a Mônica mais famosos.

Você pode perceber que  começam mostrando a Mônica e o Jotalhão no alto (eram os personagens mais conhecidos do Mauricio por causa das propagandas da época) e depois praticamente “apresentam” os demais personagens. Os gibis da turma ainda nem estavam nas bancas, sairiam a partir de 1970 pela Editora Abril, e nessa época tinham apenas algumas publicações do Mauricio, aqui e ali, coisa pouca.

Hoje os personagens e os produtos formam grandes parcerias e são na verdade um negócio de grande lucratividade.
Mas, nada se compara à ingenuidade dos tempos antigos como vemos nessa propaganda da “Trol”… (imagina errar o nome do autor).
Bem que eu gostaria de ter tido esses bonequinhos de plástico da Turma da Mônica, mas não tive acesso a nenhum deles na época…
Espero que tenham curtido… e para alguns, que tenham relembrado bons momentos da infância…

Gibi do Pato Donald nº 942 de 25/11/1969 – NCr$ 0,40

Câmera Love (1981)

Câmera Love

Antes da câmera digital!
Antes do celular que tirava foto!
Antes da Tek Pix!
O bacana era registrar os momentos marcantes com uma câmera LOVE!

Em tempos em que uma câmera fotográfica não era um gadjet qualquer e sim um ativo permanente
(Lembram se do preço de uma linha telefônica? O espírito era esse.) a LOVE era uma das melhores opções para registrar aquele momentos inesquecíveis!

Tenho memórias vagas sobre ela, mas o pouco que descobri pesquisando me fez crer que ela
possuía um ótimo custo X benefício.

Por exemplo:
Se você comprasse uma LOVE pelo anúncio das revistas, você recebia outra LOVE de brinde.
Quando você revelava as fotos, você também já recebia uma outra LOVE para continuar seus cliques. Legal, né?
Seriam esses os primeiros passos do conceito de fidelização do cliente?!

Publicado em Zé Carioca 1545 – Jun/81 – CR$ 45

Boneca Bailarina Estrela (1979)

Boneca Bailarina Estrela

Será que alguma menina ainda brinca de boneca?

Não entendo nada de bonecas, mas me parece que o brinquedo era extremamente bem-feito e com atenção aos detalhes. O anúncio também é simples e bonito.

Uma postagem para o público feminino que lia gibis e depois saía para as ruas com sua boneca (seja bailarina ou não).

Publicado em Tio Patinhas de Ouro número 2- Outubro de 1979- Preço da Edição Cr$35,00

Super Nescau (1974)

Super Nescau (1974)

Quem viveu a infância nos anos 70 sabe como era divertido abrir uma lata de Nescau.
Relacionar um produto de qualidade como esse achocolatado “vitaminado e instantâneo” aos personagens Disney era uma grande jogada na época (e seria hoje em dia também, adaptando aos personagens atuais).  Isso porque essa turma do Robin Hood era uma “baita” novidade que estava “na onda” nas bancas de toda cidade grande.

Chegar da rua cansado de brincar, tomar banho e depois saborear um Nescau gostoso desses e ainda se divertir com os adesivos que vinham de brinde era “supimpa”, “jóia” e muito “bacana” também.
Espero que tenham curtido, relembrar essa imagem de um produto fenomenal que é o Nescau. Ahh!  E depois que a lata ficava vazia servia pra guardar bolinhas de gude, a coleção de tampinhas de garrafas ou para enrolar linha de pipa.  Lembra disso?

Gibi do Zé Carioca nº 1203 – de 29/11/74 – Cr$ 1,20