Canetinhas Playcolor (1993)

123

(ou recado pra um dos meus “EUs” passados)

Se você pudesse dar um recado pra um dos seus “EUs” passados, (que não fosse do tipo compre dólares ou NÃO invista em ações de empresas que apostaram no Betamax) o que você diria?!

Difícil?!
Eu sei o que eu diria!
Eu diria o seguinte:
– Pequeno Leopoldo! (Era assim que minha mãe me chamava!)
Não faça os seus mapas de história/geografia e as suas lições de educação artística com tanta pressa!!
Esqueça um pouco a bola ou a TV, sente-se e dedique-se sem afobação!!
Pinte num sentido só, mas não respeite tanto as linhas!
Não carregue tanto a mão ao pintar (ou carregue se sentir que precisa)!
Se as retas não ficarem tão retas não tem problema!
A vida também não é tão reta!!!
Não desista de tentar CRIAR mesmo que receba retornos negativos sucessivos!!

Nunca, jamais, em hipótese alguma, coloque água nas suas canetinhas!!!
Isso vai salvar algumas toalhas de mesa e poupar o seu traseiro de alguma chineladas!!

Publicado em As Aventuras dos Trapalhões 39 – Cr$ A16 – Veja Tabela – Fev/93

Pilhas Ray-O-Vac (1964)

Pilhas Ray-O-Vac
Pilhas Ray-O-Vac

Duracell? Não. Durante muitos anos, as pilhas líderes de mercado eram as Amarelinhas.

E durante uns bons anos, elas não eram nem alcalinas. Ou seja, para o seu radinho de pilha talvez ela aguentasse o tranco. Mas quem teve um carrinho Pégasus nos anos 80…. Alguém lembra? O carrinho precisava de 6 pilhas grandes para funcionar, mais 8 pilhas pequenas no controle.

E você aí reclamando da sua bateria carregável no celular!

Ah, a propaganda foi publicada “de comprido”, ou seja, você precisava virar o gibi de lado para lê-la. Mas nós viramos a imagem para você não ter que fazer isso com o seu monitor, ok? De nada. rsrsrs

Publicado em Mickey 146 – Ed. Abril – Dezembro/1964 – Cr$ 170,00

Chicletes Adams (1958)

Chiclets Adams
Chicletes Adams

Houve uma época em que ninguém conhecia Roberto Carlos, simplesmente pelo fato de que ele ainda não havia iniciado sua carreira musical. Talvez você pense: “Meu Deus! Quando foi isso?” Pois é… Foi uma surpresa para mim descobrir que os Chicletes Adams existem desde essa época. Com tantos “vai-e-vens” de produtos considerados clássicos, eu considero um verdadeiro milagre um produto tão pequeno perdurar por pelo menos 57 anos nas prateleiras dos comércios sem praticamente nenhuma alteração. Até a caixinha amarela continua a mesma.

Eu acho engraçado que as propagandas dessa época mostravam crianças se divertindo, e o produto anunciado prometia energia e força. Isso fazia sentido com o Nescau (que continha vitaminas), sucos naturais e afins, mas… o que um chiclete tão pequeno poderia conter para provocar uma “virada de jogo” e tornar um time campeão? Será que o sabor do chiclete era de espinafre (do Popeye?)

A única coisa condizente é ter a boca fresca e a garganta aliviada. Isso faz todo o sentido, pois quem já experimentou sabe que esse chicletinho é pequeno mas proporciona essa sensação. Tão deliciosos! Tão refrescantes!

Publicado em Mickey 72 – Setembro/1958 – Cr$ 10

Chapinhas Kibon da Aviação (1962)

Chapinhas da Aviação Kibon
Chapinhas da Aviação Kibon

Na charmosa década de 60, que eu não vivi mas gostaria de ter conhecido, já haviam as coleções que movimentavam o universo infanto-juvenil.

Essa prática se seguiu até os anos 90, seja com as coleções de cartões temáticos do chocolate Surpresa, ou com os famosos Tazos.

Não há dúvidas que um palito premiado no sorvete gera sensações tão boas quanto o próprio sorvete.

Bendita época a das coleções!

Publicado em Mickey 121 – Novembro de 1962
Cr$ 35,00