Monareta da Monark (1966)

monareta
Monareta 67 Mirim

Texto do nosso leitor e colaborador Silvio Elizei:

Imagine direcionar uma propaganda extensa como essa nos dias de hoje para uma geração que já nasceu imersa na tecnologia e na preguiça. A grande maioria acostumada com uma sedutora foto e um magnético slogan estilo “pá-pum” sequer se daria ao trabalho de ler o “loooongo” texto; os poucos que fizessem isso cairiam na gargalhada com as gírias e a mensagem inocente (isso depois que o Grande Oráculo conhecido como Google lhes revelassem o que raios afinal significa um pônei), mas se identificariam com a impactante mensagem final: “exija do papai”, mas, óbvio, não uma bicicleta, quer dizer, bike e sim um Playstation 4, quer dizer, 5, afinal ,pra que fazer exercício se é mais cômodo (e seguro) ficar trancafiado em prisão domicili…quer dizer no conforto do lar?

Em tempo: o Pelé andava de bicicl…quer dizer, bike? Claro que não! Achas que ele ia abrir mão da luxuosa Aerowillys? O glorioso nome do atleta do século XX vendia até bife pra vegetariano, quer dizer, vegano… Não tem conversa, meu chapa (não?!imagina se tivesse…), quer dizer, demorou,parça, é nóis!

Em tempo: O texto da propaganda diz (com a acentuação original e tudo): “A turma dos mais velhos adorou. Agora, é a vez da turminha barra limpa. A sua vez, amiguinho. É a onda máxima, mora! Diga ao Papai que êle não precisa comprar bicicleta todo ano. Um único tamanho de Monareta serve para muitos e muitos anos. Mostre quanta economia (êle entende disso). Diga à Mamãe que pedalar na Monareta é um exercício legal para você se desenvolver mais depressa e ganhar saúde. Mamãe vai aprovar! E olhe: Monareta tem selim “Mustang” igual a uma sela de verdade, para que você sinta a emoção de cavalgar um pônei. E ainda: Mini-rodas, baixinhas e bem macias (com rodinhas auxiliares, p’ra aprender a andar). Não tem conversa, meu chapa: êste ano o presente é Monareta. Exija-a do Papai!

Publicado em Almanaque Tio Patinhas 16 – Ed. Abril – Novembro/1966 – Cr$ 500

Anúncios

Galak (1967)

Galak

Sei que tenho um gravíssimo defeito: para mim todas as guloseimas do passado eram muito mais gostosas que as dos dias atuais. Minha memória infantil sempre me trai nestes momentos.

Adorava comprar um Galak na minha distância infância. Parecia um copo de leite em barra, sei lá… era muito gostoso. Agora não sei se mudou a fórmula, ou temos tantas opções que o Galak é bem do comum, ou não era mesmo tão bom.

Enfim… ninguém iria mesmo protestar nas ruas pela volta dos anos 1980. Resta lamentar!

Publicado em Tio Patinhas número 27- Outubro de 1967- NCr$0,60

Pilhas Ray-O-Vac (1964)

Pilhas Ray-O-Vac
Pilhas Ray-O-Vac

Duracell? Não. Durante muitos anos, as pilhas líderes de mercado eram as Amarelinhas.

E durante uns bons anos, elas não eram nem alcalinas. Ou seja, para o seu radinho de pilha talvez ela aguentasse o tranco. Mas quem teve um carrinho Pégasus nos anos 80…. Alguém lembra? O carrinho precisava de 6 pilhas grandes para funcionar, mais 8 pilhas pequenas no controle.

E você aí reclamando da sua bateria carregável no celular!

Ah, a propaganda foi publicada “de comprido”, ou seja, você precisava virar o gibi de lado para lê-la. Mas nós viramos a imagem para você não ter que fazer isso com o seu monitor, ok? De nada. rsrsrs

Publicado em Mickey 146 – Ed. Abril – Dezembro/1964 – Cr$ 170,00

Chapinhas Kibon da Aviação (1962)

Chapinhas da Aviação Kibon
Chapinhas da Aviação Kibon

Na charmosa década de 60, que eu não vivi mas gostaria de ter conhecido, já haviam as coleções que movimentavam o universo infanto-juvenil.

Essa prática se seguiu até os anos 90, seja com as coleções de cartões temáticos do chocolate Surpresa, ou com os famosos Tazos.

Não há dúvidas que um palito premiado no sorvete gera sensações tão boas quanto o próprio sorvete.

Bendita época a das coleções!

Publicado em Mickey 121 – Novembro de 1962
Cr$ 35,00

Galak (1967)

Galak

Era uma vez uma época em que existia um tal Galak com frutas cristalizadas e feito com o puro leite Nestlé.

O Galak tradicional está aí até hoje nas prateleiras dos supermercados, mas convenhamos que sem tanta glória como nos dias de outrora. O Galak com frutas cristalizadas, provavelmente, nunca emplacou e entrou em extinção há muito, muito tempo.

Alguém chegou a experimentar essa iguaria digamos… exótica?

Publicado em Tio Patinhas número 27 – Outubro 1967- Preço da edição NCr$0,60

Drops Misto Dulcora (1967)

dulcora

Dulcora, Dulcora… A delícia que o paladar a-do-ra!

Por que cargas d’água alguns produtos não são eternos? Será que a minha geração nunca mais vai ter o prazer de degustar um quadradinho Dulcora?

Confesso que perdi!

Publicado em Tio Patinhas número 27- Preço da edição NCr$0,60- Outubro 1967

Kurativo York Mirim (1962)

Kurativo York Mirim (1962)
Kurativo York Mirim (1962)

As vezes a gente esquece como estamos mudando, principalmente em relação a maneira de pensar. Será que hoje criariam um anúncio parecido? Porque mais legal do que usar a imagem do índio, foi falar no texto dos karajás e dos botocudos. As crianças de hoje em dia ainda brincam de “índio”? Qual imagem que elas têm do índio? Elas conheceriam reconheceriam os nomes das tribos?

Mas, falando do produto, vejam que inovação! O produto, segundo a York, foi uma novidade de grandeza mundial. Até então nunca tinham produzido curativos com tecido plasticizado, este no Brasil foi o primeiro!

Publicado em Zé Carioca número 537 – fevereiro 1962 – Preço da edição Cr$ 20,00

——————

Texto:

Quando um “karajá” se machuca…
Novo Kurativo York em côres

“Karajás” e “Botocudos” não têm receio de fazer curativo quando se machucam! Usam o NOCVO KURATIVO YORK mirim EM CÔRES” Azul, vermelho, verde, amarelo e côr da pele!
– O primeiro e único curativo no mundo com Tecido Plasticizado! O que quer dizer: as vantagens do tecido conjugadas com as do plástico tornam o Novo Kurativo York Mirim impermeável, como nenhum outro!
– Contém Tirotricina – que evita infecções e facilita a cicatrização.
– Adere melhor! E seu tecido Plasticizado, de extraordinária flexibilidade, nunca deforma, mesmo quando usado em alguma junta protegendo o ferimento com absoluta segurança!
Mais um produto York. Quem conhece… confia!