Chicle de bola Adams (1968)

adams

Um dos diferenciais no dificílimo processo de compra de um chiclete no século passado era saber qual deles fazia a maior bola! (Nem que para isso colocássemos 38 chicletes ao mesmo tempo na boca)

A patrulha do politicamente correto odontológico ainda estava muito distante e o cachorrinho da propaganda poderia ficar impressionado com as bolas de chicletes que faziam as crianças levitarem. Outros tempos…

Quanto ao chiclete da Adams anunciado confesso que tenho lembranças nulas a respeito dele. Da Adams só me lembro do clássico Mini Chicletes, Bubbaloo e daquelas caixinhas com duas ou doze unidades. Alguém chegou a mascar (e fazer bolas) com o chicle deste post?

Contribuição do grande amigo mascador de chicletes Marco Antônio!!!- Publicado em Nick Holmes n° 46- 1968

Anúncios

Biscoitos São Luiz (1968)

Biscoitos São Luiz

Antigamente os biscoitos da Nestlé (São Luiz) tinham o exclusivo croq interplanetário. Então pra que vitaminas ou proteínas?

Propaganda de um tempo em que até os extraterrestres saboreavam biscoitos!

Publicado em Nick Holmes- 1968

* Contribuição do amigo deste planeta Marco Antonio Silva

Caramelos de leite Nestlé (1968)

Caramelos de leite Nestlé

Já faz um bom tempo que estas belezinhas sumiram do mercado. Acreditem em mim, eram deliciosos!

Uma das maiores injustiças da história é privar as novas gerações destes caramelos de leite. Pobre geração rica!

Publicado em Nick Holmes número 46- 1968

*Mais uma excelente contribuição do amigo Marco Antonio Silva!!! Nossos agradecimentos a tantas pérolas!!!

 

Galak (1968)

Galak frutas cristalizadas

A propaganda traz a embalagem antiga do Galak que poucas pessoas devem conhecer. Um adorável retrô que ainda habita as prateleiras dos supermercados.

Alguém sabia que no passado havia Galak com frutas cristalizadas? Essas pragas (ou delícias, de acordo com o ponto de vista) não invadiram apenas os panetones.

Mas talvez fosse gostoso. A garota do anúncio parece ter aprovado.

Publicada em Nick Holmes n° 46 1968

*Contribuição do nosso amigo Marco Antônio Silva

Borrachas Mercur (1968)

Borrachas Mercur (1968)

Você lembra do  “primário”?
Era assim que se chamavam as turmas da 1ª a 4ª séries do Ensino Fundamental, nos anos 70/80.
E foi nessa fase (1972/75) que mais precisei das borrachas da Mercur. Tenho boas lembranças desse produto, pois o uso do lápis era obrigatório, e não podia usar caneta de jeito nenhum.
Na lida do dia-a-dia, acertando, errando, apagando e tentando de novo, assim era o aprendizado naquela época.
Não havia o “construtivismo” na pedagogia onde os erros são tolerados até que o aluno esteja pronto para corrigi-los. A gente tinha que apagar e fazer o certo…
Por outro lado, essa borracha de duas cores que tem o “azul” para “apagar” tinta de caneta, já me fez chorar muitas vezes e furar a folha do caderno tentando apagar…
São lembranças, boas até… de um tempo que ficou marcado,  esses sim,  de forma indelével em nossas mentes…
Desde 1924 até os dias de hoje, a marca Mercur é um símbolo de referência no mercado, levando a imagem do deus Mercúrio a várias gerações. Esse personagem “Mercurinho” é muito legal e às vezes aparecia nas propagandas, como aqui, nessa hq promocional.

Publicado no Gibi do Zé Carioca nº 855 de 26/03/1968